(1)

Aprendemos nesses dias que intimidade nos leva à santidade, santidade nos dá autoridade e autoridade nos leva a conquista. Segunda-feira, na igreja, falamos princípios preciosos de como ter intimidade com Deus. São eles: temor; decisão, organização e disciplina.
1) Temor. Salmo 25:12-14. "Ao homem que teme ao SENHOR, ele o instruirá no caminho que deve escolher. Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra”. A intimidade do SENHOR é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança." 2) A decisão de quem você quer ser. Quer ser apenas mais um? Quer saber apenas o que todo mundo sabe? Quer fazer apenas o que todo mundo faz? 3) Organização. 3.1. Tenha uma agenda. 3.2. Priorize o importante da sua decisão. 3.3. Anote suas tarefas diárias por uma semana.3.4 Compare as suas tarefas com a sua agenda. 4) Disciplina. Disciplina é fazer o que a sua carne não quer para alcançar o que você quer. 4.1. Deixe a sua agenda ter mais autoridade do que a sua carne. 4.2. Não troque o importante pelo urgente. Enquanto estivermos fazendo aquilo que é importante, várias coisas urgentes vão aparecer. Porém, devemos estar focados naquilo que é importante. Na sua opinião, qual nível de relacionamento teremos com o Senhor se seguirmos esses princípios?

(2)

Intimidade é o alvo.
Você quer ouvir a Deus e ser tocado por Ele? Você quer ser amigo de Deus? Não podemos querer ter intimidade com Deus com o objetivo de conquistar aquilo que desejamos. O fato da intimidade vir primeiro não pode fazer dela um meio. Não podemos usar a nossa intimidade visando alcançar algo. Você gostaria de descobrir que alguém te usou para conquistar algum benefício? Com isso, não podemos nos aproximar de Deus apenas para alcançar suas bençãos. Na sua opinião, o que devemos fazer para nos tornarmos mais íntimos de Deus?

(3)

A ambição nunca foi a intensão dos homens que tiveram intimidade com Deus. Certo dia, Moisés ouviu Deus falar que ele não entraria na terra prometida e que teria que colocar Josué em seu lugar. A missão que Deus havia dado a Moisés acabou. Porém, a amizade, o temor, o respeito, o zelo e o amor pelo Senhor não acabaram. Moisés continuou obediente até o dia da sua morte, e isso não era por algum interesse pessoal. Davi prosperou, porém, antes de ser rei, ele já era um adorador que temia ao Senhor. Levando em consideração o exemplo de Moisés e Davi, o que você acha que mais importava para eles no relacionamento que tinham com Deus?

(4)

Nosso coração, de muitas formas, vai tentar nos enganar. Algumas vezes, vamos ser tentados a pensar que Deus é um supermercado, onde buscamos nossas necessidades. Na verdade, Ele supre sim nossas necessidades, mas como um Pai e amigo. Gênesis 4:7 "Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo." Quando um pensamento diferente, sobre aquilo que Deus realmente é, vier em nossa mente, devemos dominá-lo e destruí-lo, substituindo pelo pensamento correto. Na sua opinião, como aquilo que pensamos sobre Deus pode influenciar nosso relacionamento com Ele?

(5)

Romanos 8:15 "Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai." A palavra clamamos, no original, significa grasnar, gritar, berrar, vociferar, clamar ou pedir por vingança. Significa também chorar, chorar alto, falar com uma voz alta. Estamos em uma das gerações considerada a mais órfã do Brasil. Muitos filhos estão acostumados a não ter um pai a quem possa recorrer. Não tem um colo para deitar e um pai para clamar por ajuda. Em Lucas 22:39, observamos que era costume de Jesus subir para o Monte das Oliveiras. O que você acha que Jesus ia fazer lá? Ficar a sós com o Pai. Jesus nos ensinou na prática como devemos nos relacionar com o Pai nosso que está nos céus. Podemos ter a liberdade de clamar em alta voz ao nosso Deus, sabendo que Ele sempre vai estar por perto, como um pai, para ouvir nosso clamor. Na sua opinião, que atitudes podemos ter para nos relacionarmos com o Senhor com mais liberdade?

(Conclusão)

Deus deu seu Filho para nos salvar. Assim, podemos ter a convicção que Ele nos ama com um amor de Pai. Hoje, o Senhor nos convida a mergulhar nesse relacionamento profundo. Devemos pular nos braços do nosso Pai e deixar que Ele nos chame de filho. Somos os Filhos amados do nosso Pai.

(Palavra da Oferta)

Não podemos ofertar e dizimar influenciados pelo espírito de orfandade que é egoísta, mas pelo espírito de adoção que é caracterizado pela generosidade. Nós somos Filhos do nosso Deus, por isso devemos ter a convicção que Ele nunca vai deixar nada nos faltar. Não devemos ter medo de lançar nosso pão sobre as águas, pois Deus sempre vai suprir nossas necessidades.